José Pinto nasceu em Vila Real, Portugal, 1988. Filho de pai português e mãe angolana, viveu em Cabo Verde até há pouco tempo. Poeta, dramaturgo, tradutor, performer e psicólogo, é autor de Humanus (Portugal, 2015), TOCA: oito poemas de amor e uma canção angustiada (Portugal, 2021) e Chá para o nevoeiro (Brasil-Galiza, 2021). Participa no livro coletivo Literatura e cultura em tempos de pandemia (Portugal, 2021). Textos seus têm sido publicados em revistas e fanzines do Brasil, Cabo Verde, Espanha, Estados Unidos da América e Portugal e poemas autorais foram adaptados para melodramas pelo compositor Filipe Pinto (Alemanha). Escreve para teatro, com textos estreados em Cabo Verde e Portugal. Tem colaborado com a Revista Palavra Comum e também na edição, tradução e revisão da Revista dos Tr3sReinos, ambas na Galiza. Trabalhou como dramaturgo e dramaturgista no UMCOLETIVO (Portugal, 2018-2021) e desde 2017, é curador da Associação txon-poesia (Cabo Verde), que se dedica a poesia e poética, a partir de uma perspetiva transdisciplinar, intercultural e participada.

José Pinto was born in Vila Real, Portugal, 1988. Son of portuguese father and angolan mother, he has been living in Cape Verde until recently. Poet, playwright, translator, performer and psychologist, he is author of Humanus (Portugal, 2015), TOCA: oito poemas de amor e uma canção angustiada (Portugal, 2021) and Chá para o nevoeiro (Brazil-Galicia, 2021). He participates in the collective book Literatura e cultura em tempos de pandemia (Portugal, 2021). His texts were published in magazines and fanzines in Brazil, Cape Verde, Spain, United States of America and Portugal and his poems have also been adapted for melodramas by the composer Filipe Pinto (Germany) and he writes for theater, with his work having premiered in Cape Verde and Portugal. He has collaborated with Revista Palavra Comum and in the edition, translation and revision of Revista dos Tr3sReinos, both in Galicia. He worked as a playwright and dramaturgist at UMCOLETIVO (Portugal, 2018-2021) and since 2017, he has curated Associação txon-poesia (Cape Verde), which is dedicated to poetry and poetics, from a transdisciplinary, intercultural and participative perspective.

COLABORAÇÕES/COLLABORATIONS

“Leitura do outro mundo”, leitura de poemas com Pedro Lamares e Dembele Mamadou, no Centro Cultural Português (Camões), Polo de Mindelo, Cabo Verde, 2018. “Somos todos Ubu”, espetáculo de teatro em que colaborou com Chica Carelli (Teatro Vila Velha, Brasil) na dramaturgia e texto, no âmbito do projeto KCENA 2017, Cabo Verde. Co-editou com Genaro da Silva o número 001 da Revista dos Tr3sReinos, Galiza, 2016. Escreveu e leu em conjunto com Carlos da Aira o poema “[Eu xa bailei a muiñeira con Camões nunha romaría, no castro de Santa Tegra.]” na Cultura Que Une, Portugal, 2016. Poemas seus foram adaptados para dois melodramas por Filipe Pinto, sendo um deles o “Tríptico para piano, voz e viola d’arco”, apresentado na Alemanha, 2015.

“Leitura do outro mundo”, poetry reading with Pedro Lamares and Dembele Mamadou, at Centro Cultural Português (Camões), Polo de Mindelo, Cape Verde, 2018. “Somos todos Ubu“, theater play in which he collaborated with Chica Carelli (Teatro Vila Velha, Brazil) in dramaturgy and text, for the KCENA 2017 project, Cape Verde. Co-edited with Genaro da Silva the number 001 of Revista dos Tr3sReinos, Galicia, 2016. He wrote and read together with Carlos da Aira the poem “[I xa bailei a muiñeira con Camões nunha romaría, in the castro of Santa Tegra.]” in Cultura Que Une, Portugal, 2016. His poems were adapted for two melodramas by Filipe Pinto, one of them being the “Tríptico para piano, voz e viola d’arco”, presented in Germany, 2015.

ENTREVISTA + OUTROS/INTERVIEW + OTHERS

Revista Escamandro, 2021
Revista Palavra Comum, 2017
Traga-Mundos, 2015