E contudo há vozes outras
que nos falam
e palavras mais
que nos lêem,
superiores à confusão.
Espaços no mundo
onde jamais te pertenço
e nunca me pertenceste.
A desilusão da paixão vítrea
a garantir a devolução
à solidão primeira:
carregar a vida inteira
aos próprios ombros.
O resquício desses dias
não é senão o silêncio
em cada partilha.
E o deserto calcinante
que cada um percorre dentro.

De Tríptico para piano, voz e viola d’arco, conjunto de textos posteriormente adaptados, compostos e musicados por Filipe Pinto
Apresentado Concerto «Música de Abril», Leipziger Städtische Bibliotheken, Alemanha, 2015