ONDE VIVE BLIMUNDO

CONTEMPLADOR: Bô uvi?
VIAJANTE: M uvi o kê?
CONTEMPLADOR: Esperá…
VIAJANTE: Esperá?
CONTEMPLADOR: Pa próxim.
VIAJANTE: Próxim?
CONTEMPLADOR: Sim.
VIAJANTE: P próxim kê?
CONTEMPLADOR: Pa próxim eco.
VIAJANTE: Eco?
CONTEMPLADOR: E-c-o. Eco.
VIAJANTE: Bô krê k m sperá pé um eco?
CONTEMPLADOR: Ka ê um eco qualquer.
VIAJANTE: Entom?
CONTEMPLADOR: É eco del.
VIAJANTE: Eco de kem?
CONTEMPLADOR: Esperá.
VIAJANTE: Ke chatice ome.
CONTEMPLADOR: Só el ta funcioná se bô esperá.
VIAJANTE: Tont temp?
CONTEMPLADOR: Kel ke for precis.
VIAJANTE: E se demorá té manhã?
CONTEMPLADOR: Bo ta esperá.
VIAJANTE: E se for daki a trint on?
CONTEMPLADOR: Bo ta esperá.
VIAJANTE: Oh!
CONTEMPLADOR: Shhhh. Kuanto menos barulho bo fazê…
VIAJANTE: Gora também m tem k calá?
CONTEMPLADOR: Ka ê bem calá, ma…
VIAJANTE: Má nada!
CONTEMPLADOR: AI, BO TI TA BEM ESPANTAL.
VIAJANTE: Só nôj dôj e´k t li.
CONTEMPLADOR: Nô ka ta sô nôs dôs…
VIAJANTE: Mi ká tite oiá máj ninguém.
CONTEMPLADOR: Ê que gente ka sabê del tem tcheu temp.
VIAJANTE: Bô tite inventá.
CONTEMPLADOR: Ka bo dzem k nunca ej falób de Blimundo.
VIAJANTE: Kual Blimundo?
CONTEMPLADOR: Kel boi más lóoooorg de mund.
VIAJANTE: E o ke é k el tem de especial, além de ser “kel boi más lóoooorg de mund”?
CONTEMPLADOR: El tava brincá k borboletas kel tava oiá.
VIAJANTE: Um boi ke tava brincá má borboleta?
CONTEMPLADOR: E el tava levá mússca dent del.
VIAJANTE: Um boi ke tava brincá má borboleta e tava levá música dentr del…
CONTEMPLADOR: Ah! Essim bô ka ta uvi.
VIAJANTE: Essim manera?
CONTEMPLADOR: Bo tem k tchá ser levód.
VIAJANTE: Txa ser levod?
CONTEMPLADOR: Sim, pa kel canção que tem dent de bô.
VIAJANTE: Pe um canção? Dentr de nhe kabeça!?
CONTEMPLADOR: Sim. Parcid kum voz…
VIAJANTE: Já bô tite inventá ôte vej.
CONTEMPLADOR: Um canção k bo ta consigui uvi na silêncie.
VIAJANTE: Máj algum koza especial sobre Blimundo?
CONTEMPLADOR: El ta faze mund bli.
VIAJANTE: Bli?
CONTEMPLADOR: Sim, el ta muvimentá tud kosa.
VIAJANTE: Má planeta Terra já te rodá el só.
CONTEMPLADOR: Blimundo ta fazê mundo avançá.
VIAJANTE: Má planeta Terra te andá a volta de Sol.
CONTEMPLADOR: É um boi k ta amá liberdad.
VIAJANTE: Ke é k bô krê dzê kiss?
CONTEMPLADOR: El fgí dum palásie ondê kej tinha el t trabalha komo eskrave. El rediá, rediá, rediá ne volta dum trapitxe, dia após dia…
VIAJANTE: E depôj?
CONTEMPLADOR: E el tava oiá só m´ier t usá ropá maj bnit.
VIAJANTE: Só iss?
CONTEMPLADOR: El tava oiá reis t inrikêsê à sê kusta, soldads k fardas maj brilhant e kel palásie t INTXÁ d lux.
VIAJANTE: E por causa diss el fgi?
CONTEMPLADOR: Razões k basta p kem e´k t procurá grendes kausas.
VIAJANTE: El kansá?
CONTEMPLADOR: El kansá.
VIAJANTE: Pé dond ê kel fgi?
CONTEMPLADOR: Bem longe!
VIAJANTE: E kel rei?
CONTEMPLADOR: Kel rei bé tréj del.
VIAJANTE: Manera ke bô t sabê ke ê Blimundo e não ôte boi?
CONTEMPLADOR: Se for Blimund, bô t sebê log kê el.
VIAJANTE: Mod kê?
CONTEMPLADOR: Porkê a kada mugid kel dá, terra estrmesê.
VIAJANTE: Uau…
CONTEMPLADOR: Moda e´k estrmesê kej exérsit e´k bai trás del.
VIAJANTE: En foi kel rei k bá trás del?
CONTEMPLADOR: Já bô oiá um rei t tem koragem p lutá?
VIAJANTE: Nunka. Manera k um rei te komandá, se te faltal koragem?
CONTEMPLADOR: Sô um vej e´k ej panhá Blimund.
VIAJANTE: Ej deve ter suod.
CONTEMPLADOR: El traissoél.
VIAJANTE: El txá ser traissuod?
CONTEMPLADOR: Ej ordená um rapazim pe bai t kantá i t toká kavakim p kej rbera até inkontra kel boi.
VIAJANTE: Ke devia estod t brinká k borboleta.
CONTEMPLADOR: (começa a cantar) Tlim, tlim… Tlim, tlim… Tlim, tlim… Tlim, tlim… Oh Blimundo Senhor rei mandam bem bskob Pra bem casá ma codezinha Dlim Dlim na nha cavakim Crop crop na nha pretem Dlim Dlim na nha cavakim Glutxe glutxe na nha bli d’agua (termina de cantar)
Guiod p eco de kej mugid, mej pert, MEJ PERT, el tma fê, d´repent k Blimund tinha el pust n k´txasim.
VIAJANTE: En foi prudent.
CONTEMPLADOR: Foi apaixonod.
VIAJANTE: El tava levá música dentr.
CONTEMPLADOR: El pdi kel repazim p toká pirtim d´uvid.
VIAJANTE: E kel rapaz encaminhaj até kel paloce.
CONTEMPLADOR: Inkuant musika d´sima d kel boi tava fká maj bnit, kel tokador tava só pensá not segréd.
VIAJANTE: Kual segred?
CONTEMPLADOR: Blimund tava apaixonad p “kodêzinha”, Vekinha d´Praia.
VIAJANTE: M tava goxtá de sabê onde é k vivê Blimundo.
CONTEMPLADOR: Hum…
VIAJANTE: Ká bô dzem k é ne silence.
CONTEMPLADOR: No tem uvid ekos t bem d longe. E presise prestá tenson. E levá músska dent de bô. Um sensibilidad apuród.
VIAJANTE: Sensibilidad a kê?
CONTEMPLADOR: A invisível.
VIAJANTE: A invisível?
CONTEMPLADOR: Debóx de pêl.
VIAJANTE: Kej músculos?
Kej osse?
CONTEMPLADOR: Bo kre kabá d´uvir ess jtória?
Kel Vaquinha p kem Blimund tava apaixonod tinha sid adotod pe kej rei, pork kel rainha ene dava kunsgui engrevidá. Num d sij passei p propriedades reais, el oiá um bzérra perfeita e logo el krij levál ma el. Kond el txgá n beira d kel rei, el falal de sê dsej de fka k kel bzérra, moda sê filha. Enton, kel rei pdi um fada d sê palásie pe transformá kel bzérra num menininha i, d note p dia, kel Vakinha d´Praia era um elegante prinsesa.
VIAJANTE: Blimundo bá ter ke kel “codêzinha”?
CONTEMPLADOR: Kel rei tinha promitid kel Vaquinha em ksement. T levá kel tokador de violine ma el, kond ej txgá ne kel palásie, kel rei levá kel boi log p barber, pel prepará p inkontrá ma sê amada. N mument em kej tava t ba komessá t fazê barba de Blimund, txpuj de enseboel, kel barber del um golpe de navalha n pskose, ke mantxá kel a toalha relusent. Kel boi maj lorg d mundo kmessá t dá koss ei, t dá koss lá, t dá koss dalá, de tal manera ke kel rei nunca maj foi vist.
VIAJANTE: UKê k levá a ódio de kel rei? Tinha otxe bois pé substitui de kel fugitiv.
CONTEMPLADOR: Blimundo fgi e inspirá otxe boij a ser livre. Kel notísia espalha p kel reine n vlusidad d luz. Bimund fazê florexsê um esperansa antig.
VIAJANTE: Um ameaça à ordem de rei.
CONTEMPLADOR: M tava jurá kum uvi um eco.
VIAJANTE: Às vej nô te uvi eco dum lembrança moda s el tite kontsê realmente. Especialmente se nô tá k vontad del kontsê. Kuando bô te sinti sodad.
(Silênce)
VIAJANTE: Se nô kantá ne silence, Blimundo tá aproximá?
CONTEMPLADOR: Ah, já bô intendê?
VIAJANTE: M otxá k m tite komeça. E se nô pintá crepúsculo sobre rotxa e vales?
CONTEMPLADOR: El ta funcioná, se bo tiver oí ftchód.
VIAJANTE: Manera k m te pintá k oi fetxod?
CONTEMPLADOR: De mesma manera k bo ta cantá na silêncie.
VIAJANTE: M ka podê skecê de pintá borboletaj te voá pé vales de tud kej ilha.
CONTEMPLADOR: Um detalhe de extréma impurtânsia.
VIAJANTE: M tita bem fetxá oi.
CONTEMPLADOR: Tentá.
VIAJANTE: E se parcê uns rã te saltá dum lado pé ôte?
CONTEMPLADOR: Sô bo ta sabê dpôs k bô tentá.
VIAJANTE: E se parcê dinossauros gigantes?
CONTEMPLADOR: Bô tem k tentá.
VIAJANTE: E se parcê uns monstre selvagem?

(Silênce)

VIAJANTE: M tá fetxá oi.
CONTEMPLADOR: Ke corajosa.

(Silênce durant doz segundos)

CONTEMPLADOR: Bô uvi kel eco?

Dramaturgia e tradução para crioulo José Pinto, a partir do conto de Blimundo, da tradição oral cabo-verdiana
Revisão
Márcia Freitas
Interpretação
José P. Bettencourt e Márcia Freitas
Sonoplastia
Diogo Rodrigues

Texto para teatro traduzido + sessão radiofónica publicados Revista Virada, EUA e Portugal, 2020

CONTÁGIO SOCIAL: GUERRA DE CLASSES MICROBIOLÓGICA NA CHINA

O forno

Wuhan é conhecida na gíria coloquial como um dos “quatro fornos” (四大火炉) da China, devido ao seu verão quente e húmido, opressivo, compartilhado com Chongqing, Nanjing e alternadamente Nanchange ou Changsha, todas elas cidades movimentadas com longas histórias ao longo ou próximas do vale do rio Yangtze. Das quatro, Wuhan, todavia, é igualmente pulverizada com fornos literais: o complexo urbano massivo funciona como uma espécie de núcleo para as indústrias do aço, betão e outras indústrias relacionadas com a construção na China, a sua paisagem dotada de altos-fornos de arrefecimento lento das fundições estatais de ferro e aço restantes, agora assolada pela sobre-produção e forçada a uma nova ronda contenciosa de downsizing, privatização e reestruturação geral — resultando ela própria em numerosas largas greves e protestos nos últimos cinco anos. A cidade é essencialmente a capital de construção da China, o que significa que desempenhou um papel particularmente importante no período após a crise económica global, uma vez que estes foram os anos em que o crescimento chinês foi impulsionado pela canalização de fundos de investimento em projetos de infraestruturas e imóveis. Wuhan não só alimentou esta bolha com o excesso de oferta de materiais de construção e engenheiros civis, mas também, ao fazê-lo, tornou-se em si mesma uma cidade de crescimento rápido na construção. De acordo com os nossos cálculos, em 2018-2019, a área total dedicada às obras de construção em Wuhan era equivalente ao tamanho de toda a ilha de Hong Kong.

Mas agora este forno que impulsiona a economia chinesa pós-crise parece, como se encontra nas suas fundições de ferro e aço, estar a arrefecer. Embora este processo estivesse em curso, a metáfora já não é simplesmente económica, uma vez que a cidade outrora movimentada está selada há mais de um mês, as suas ruas esvaziadas por mandato governamental: “A maior contribuição que vocês podem dar é: não se reúnam, não causem caos”, regista uma manchete no Diário de Guangming, dirigido pelo departamento de propaganda do Partido Comunista Chinês. Hoje, as novas avenidas do Wuhan e os reluzentes prédios de aço e vidro que as coroam estão frias e inanes, à medida que o inverno diminui durante o Ano Novo Lunar e a cidade estagna sob a constrição da ampla quarentena. Isolar-se é um bom conselho para qualquer pessoa na China, onde o surto do novo coronavírus (recentemente renomeado SARS-CoV-2 e a sua doença Covid-19) matou mais de dois mil pessoas – mais do que o seu antecessor, a epidemia de SARS em 2003. O país inteiro está bloqueado, como foi durante a SARS. As escolas estão fechadas e as pessoas estão enfiadas nas suas casas em todo o país. Quase toda a atividade económica parou no feriado do Ano Novo Lunar no dia 25 de janeiro, mas a pausa foi prolongada por um mês para conter a propagação da epidemia. Os fornos da China parecem ter parado de queimar ou pelo menos ter sido reduzidos a brasas suavemente brilhantes. De certo modo, porém, a cidade tornou-se outro tipo de forno, à medida que o coronavírus queima através da sua população massiva como uma febre vasta.

O surto tem sido incorretamente acusado de tudo, desde a libertação conspiratória e/ou acidental de uma estirpe de vírus do Instituto de Virologia de Wuhan — uma alegação dúbia espalhada pelas redes sociais, particularmente através de publicações paranoicas de Hong Kong e Taiwan no Facebook, mas agora enterrada por órgãos de imprensa conservadores e interesses militares no Ocidente — à propensão do povo chinês para consumir alimentos “sujos” ou “estranhos”, já que o surto do vírus está ligado a morcegos ou serpentes vendidos num mercado húmido semi-ilegal especializado em fauna selvagem e outros animais raros (embora esta não fosse a fonte definitiva). Ambos os temas principais exibem o evidente belicismo e orientalismo comuns em reportagens sobre a China e vários artigos apontaram este fato básico. Mas mesmo estas respostas tendem a focalizar apenas em questões sobre como o vírus é percebido na esfera cultural, gastando muito menos tempo a investigar a dinâmica muito mais brutal que é obscurecida sob o frenesim da media.

Uma variante ligeiramente mais complexa compreende pelo menos as consequências económicas, mesmo quando exagera para efeito retórico as potenciais repercussões políticas. Aqui encontramos os suspeitos do costume, que vão desde os políticos tendencialmente belicistas até aos liberais alarmistas: agências de imprensa da National Review ao New York Times já insinuaram que o surto pode trazer uma “crise de legitimidade” ao PCC, apesar do fato de que praticamente não há cheiro de uma revolta no ar. Mas o cerne da verdade nestas previsões está na compreensão das dimensões económicas da quarentena – algo que dificilmente poderia ser perdido por jornalistas com carteiras de ações mais espessas do que os seus crânios. Porque o fato é que, apesar do apelo do governo para se isolar, as pessoas podem em breve ser obrigadas a “reunir-se” para atenderem às necessidades de produção. De acordo com as últimas estimativas iniciais, a epidemia já fará com que o PIB da China abrande 5% este ano, abaixo da já marcada taxa de crescimento de 6% no ano passado, a mais baixa em três décadas. Alguns analistas disseram que o crescimento do primeiro trimestre poderia afundar 4% ou menos e que isso poderia desencadear uma recessão global de algum tipo. Foi colocada uma questão antes impensável: o que é que acontece realmente à economia global quando o forno chinês começa a esfriar?

Dentro da própria China, a trajetória certa deste acontecimento é difícil de prever, mas o momento já provocou um raro processo coletivo de questionamento e aprendizagem sobre a sociedade. A epidemia infetou diretamente cerca de 80 mil pessoas (na estimativa mais conservadora), mas causou um choque na vida quotidiana de 1,4 bilhão sob o capitalismo, aprisionadas num momento de autorreflexão precária. Este momento, embora coberto de medo, fez com que todos fizessem em simultâneo algumas perguntas profundas: O que vai acontecer comigo? Os meus filhos, a minha família e os meus amigos? Teremos comida suficiente? Vou ser pago? Vou conseguir pagar a renda? Quem é responsável por tudo isto? De forma distorcida, a experiência subjetiva é um pouco parecida com a de uma greve em massa – mas que, pelo seu caráter não espontâneo, de cima para baixo e especialmente pela hiper-atomização involuntária, ilustra os enigmas básicos do nosso próprio presente político estrangulado tão claramente como as verdadeiras greves em massa do século anterior elucidaram as contradições da sua época. A quarentena, portanto, é como uma greve esvaziada das suas características mais comuns, mas capaz de causar um choque profundo tanto na psique quanto na economia. Este fato, por si só, é merecedor de reflexão.

Claro que a especulação sobre a iminente queda do PCC é um disparate previsível, um dos passatempos favoritos do The New Yorker e The Economist. Enquanto isso, os protocolos normais de repressão mediática estão em andamento, nos quais artigos de opinião abertamente racistas dos meios de comunicação de massas publicados nos meios de comunicação tradicionais são contrabalançados por um enxame de artigos de opinião na web que polemizam contra o orientalismo e outras facetas da ideologia. Mas quase toda esta discussão permanece no nível da representação – ou, na melhor das hipóteses, da política de contenção e das consequências económicas da epidemia – sem mergulhar em questões sobre como essas doenças são produzidas em primeiro lugar, e muito menos distribuídas. Mas mesmo isto não chega. Agora não é o momento para um simples exercício “Scooby-Doo Marxista” de tirar a máscara do vilão para revelar que, sim, de fato, foi o capitalismo que causou o coronavírus! Isso não seria mais subtil do que os comentaristas estrangeiros que cheiram a mudança de regime. Claro que o capitalismo é culpável – mas como, exatamente, a esfera socioeconómica interage com a biológica, e que tipo de lições mais profundas podem ser tiradas de toda a experiência?

Nesse sentido, o surto apresenta duas oportunidades de reflexão: primeiro, é uma abertura instrutiva na qual podemos rever questões substanciais sobre como a produção capitalista se relaciona com o mundo não-humano num nível mais fundamental — como, em suma, o mundo natural, incluindo o substrato microbiológico, não pode ser compreendido sem referência a como a sociedade organiza a produção (porque os dois não estão, de fato, separados). Ao mesmo tempo, é um lembrete de que o único comunismo que vale o nome é aquele que inclui o potencial de um naturalismo totalmente politizado. Em segundo lugar, podemos também usar este momento de isolamento para o nosso próprio tipo de reflexão sobre o estado atual da sociedade chinesa. Algumas coisas só se tornam claras quando tudo tende a parar inesperadamente e um abrandamento deste género não pode deixar de tornar visíveis tensões anteriormente obscuras. Abaixo, então, exploraremos estas duas questões, mostrando não apenas como a acumulação capitalista produz tais pragas, mas também como o momento da pandemia é, ela própria, um caso contraditório de crise política, tornando visível para as pessoas o potencial e as dependências invisíveis do mundo à sua volta, ao mesmo tempo que oferecemos mais uma desculpa para a extensão ainda maior dos sistemas de controlo na vida quotidiana.

Original em inglês Coletivo Chuǎng
Fotografia http://chuangcn.org/2020/02/social-contagion/

Artigo completo publicado Revista BUALA, Portugal, 2020

5

precisamos de uma cena pensa em uma nuvem um raio continua a queda tu gira passar a ponte visualizar a ponte não elimina o leito esta seca foste tu senhor pegue no meu pulso escreva com a minha mão esta carta de agradecimento fomos leves mas fomos a recordação

dormir contigo é estar em todos os teus encontros ser da guarida quem espreita tudo continua igual continuamos a precisar da comida como a comida precisa do nosso estômago somos em função de outros e corremos cara tantas armadilhas entenda que a armadilha é armadilha só se estiver oculta ao tato faz-se obstáculo aprendemos a caçar mas nunca a receber a seta no nosso ventre não nos feriram mas procuramos tantas curas tratando sempre de impedir o dano tratando de impedir o dano a escuridão nos trouxe até à aurora o começo não nos explicou as nossas estórias aurora sem acabar

nós aurora nos demos fim e só aurora conheceremos o começo a pergunta aurora aurora aurora a sentença quem é o que nos une nos é desconhecido o meu começo foi contigo e quiçá aurora isso seja apenas o que nos separa viro esta seca foste tu um homem de preto morde as esquinas de uma cidade que apodrece a partir dos cimentos cuspimos com uma simultaneidade paranormal nasce da nossa saliva o rio que leva de volta às nossas gargantas volto os semáforos desvelam pela enésima vez a minha silhueta esculpida no fumo das vozes mapas cartográficos para se ancorar no meu peito cais de pombas e de lápis esta ponte esta volta esta seca foste tu

Original em castelhano Sergio Espinosa (Hacia la mudez, Kriller71, 2017)

Publicado Revista dos Tr3sReinos, Espanha, 2017-2019

as tuas visitas são estes mililitros a limpeza e o sabor a enxofre falo digo a minha gaguez são estas paredes conheces estas paredes pergunto conheces melhor o caminho ao vulcão quem inspecionou as tuas entranhas elege morango menta ou frutas do xamã a minha gaguez é este lençol aqui junto a cor negra vi o futuro nos teus estômagos vou desenhar um mapa levará o nome da extremidade mais frágil do teu corpo vertebrará a minha garganta e aguentará o ar no fim estas paredes terão a cor do acordar direi a palavra pergunto conheces melhor o silêncio ou a mudez

Original em castelhano Sergio Espinosa (Hacia la mudez, Kriller71, 2017)

Publicado Revista dos Tr3sReinos, Espanha, 2017-2019

com o osso a sua mão com o seu tato assim os seus olhos e a sua vista assim alcançar a maior autossimilitude possível ainda calavas construí a tua boca mas não a tua palavra te içaste como uma brisa marinha abriste a minha boca e ao falar tão só surgiu névoa e amei amei eu amei em um lugar onde não crescia o vento e aprendi a invocar vendo aos outros sim voar esta forma de roçar a terra nas noites alheias ou abjetamente tuas supusesse a salvação que a minha mente procura entre a fome e o sonambulismo

Original em castelhano Sergio Espinosa (Hacia la mudez, Kriller71, 2017)

Publicado Revista dos Tr3sReinos, Espanha, 2017-2019

2

quem aqui destrua um mito não irá embora sem antes criar outro corpo que agora é hálito que não conhece conhece-nos o girassol nos habitou um só instante somos outro nascemos de um corpo sem rosto de caminho à odisseia somos forma no bordo do lago estínfalo nosso pincel é a sua semente calava como se houvera regressado da morte enquanto eu lhe pintava uma identidade com seiva todo com sementes devia condizer com tudo a carne com a carne o osso

Original em castelhano Sergio Espinosa (Hacia la mudez, Kriller71, 2017)

Publicado Revista dos Tr3sReinos, Espanha, 2017-2019

não estar sano não faz de ti um monstro
ignorar o dano faz de ti um monstro não
construir o corpo entre provas e perder
o equilíbrio enorme besta não contes os dias
quem te ensinou a dormir pergunto sabes dormir
este ensaio interminável não é o salto pressuposto
à tua fome ao priápico da tua sangrenta máscara

o pressuposto dano ensinou-te a ignorar o equilíbrio
a dormir entre a tua máscara interminável
e este monstro priápico quem faz de ti besta
pergunto provas a perder os dias
não sabes da tua fome sangrenta
um monstro faz-te não dormir não contes o corpo não
o salto não
estar sano é construir um ensaio enorme

Original em castelhano Sergio Espinosa (Hacia la mudez, Kriller71, 2017)

Publicado Revista dos Tr3sReinos, Espanha, 2017-2019

TELEMARCHAY ECLIPSES

perder
perder
para encontrar
o que foi tirado da boca do jaguar
perder perder tudo
e quando perderes tudo
hás de perder isso também

onde antes não vias nada
há enquanto uma pedra sobre outra
onde antes não ouvias nada há um ritmo de varas de urze
nas tardes lá fora a golpear a terra golpeada

os cadáveres imensamente mortos
que deixaste no caminho
dizem não-jaguar não-caverna não-vasilha

só manto
e piedade pelos feijões e as moscas

isto é tudo o que ignoravas
por quereres ganhar o céu

guitarrista diz não-lasso não-água não-templo
só fardos

encerrando peixes
aprisionados entre os dentes de outros peixes

parece mentira terem vivido cem séculos nestas serras
domesticados pelos animais
que não souberam domesticar o nosso apetite
e que logo domesticámos

com as quatro ervas que nos abrigaram
e que terminaram também queimadas
em fogueiras de prata

telarmachay diz não-crânio não-extremidade não-crânio
só mulher

sentada entre montanhas
como uma navalha afiada de um só gume
acariciando o rosto do trono
embalando as cataratas

as marés do regozijo e da pena
não têm domínio sobre esta carnificina

dá-me tudo
a peste a tarde a duração dos quadros
os despojos de ouro e prata
dá-me os metais
dá-me o que te falta

carva diz não-cabeças cupisniques
a degolar-se
(viras essa expressão nalgum outro rosto?

é assim
nunca o saberás)

diz-me nada

este interregno esta paz
não durarão
degolou-se a cabeça com uma navalha de chifre de taruca
pensou no manto debaixo dos seus pés
vermelho negro ocre vermelho
pelicano serpente moscas
subsolos de huántar

o sangue
a flora exausta

dá-me tudo
é indispensável crer em nada
fardos

e de passagem
de que lado estavam as paredes
zigzagueando de rosa em rosa

à procura suponho
de algo dentro algo fora?

pensei que aqui havia uma ausência uma perda
enganei-me
ao ver o que se vê quando não se quer ver
o deserto o basto a palavra

e assim não ver a pedra sobre a pedra

diz-me nada
essa é a única condição para eu ficar com tudo

nunca acreditei que fosse verdade
que não podiam caminhar
que não podiam agitar-se
que não podiam mudar de posição

nem recostar-se de lado nem boca abaixo nem sobre as suas costas

até que me passou pela cabeça
que também me aconteceu a mim

a extraordinária beleza do manto
me fez vulnerável
à vida de outros

com cáries mais radicais

irradiando do fundo de abismos atravessados
dentes de altura

caranguejos atados a cordas precárias penduradas no céu
a anunciar um interlúdio imuno deficiente
(estas são as mortais marionetas de cor
cinzento sobre cinzento)

a propósito
perco o tempo

toda esta gente que caminha até ao mar
onde vai?
que procuram deixar além da vida?

o lugar é agora
uma torre de cidades arruinadas
os túmulos abertos dessacralizados
contêm os ossos de astrónomos sexuais
que acreditaram ver órbitas exatas
à volta de corpos
desnecessários

os tradutores foram sepultados de cabeça
retirados do resto

as teorias são
prisões de segurança máxima
(algo do género disse Quijano ou assim que as ideias
são prisões de longa duração)
e Flores Galindo:
‘as palavras seguem um itinerário paralelo às mortes’

e por isso há tantas palavras
em forma de garra em forma de molar
de vagina e de gengiva

e por isso esta linguagem
aperfeiçoada pelos nossos terrores
espiã das nossas mortes
conselheira de chagas
esboça este rictus final e funerário

quirihuac diz não-relâmpago não-deserto não-morfema

só o ruído dos terraços marinhos
a acomodar-se
como serpentes de escamas obscuras e raspadas
ejaculando um sémen negro e glacial
deslumbrante

o fim do que acaba por terminar
agrega-se como um segmento mais
um hino uma denúncia
uma bênção de arte

os venenos começaram por ser abstrações
e tornaram-se
relatos que tardaram a fazer efeito
mordidas no vento salgado
foi o inverno outra vez
e nós nele

disse sémen negro atrás e glacial
pensava numa noite em chimbote
no nevoeiro a sair do mar

nas esculturas de pedra nos caninos verticais

a sair do mar
e
ainda
nas reconversões das nossas melhores noites
um desenho de fundo
abre caminho
entre as camadas de azeite e alcatrão e trementina
à sombra do rio o carvalho é fonte

nazca diz não-macaco não-calendário não-linha
só tábua rachada

frente ao altar de pedra submerso entre neves perpétuas
fazem-se perguntas improváveis
pedem pela raposa para que interceda pelo lago

abrem suas almas ao huayco

tentei com as vendas
cobrir os olhos tapar
os ouvidos com algodão
enfronhar minhas mãos em luvas cheias
de mel de flor de laranjeira
meus dedos nos seios nasais até tocar a pituitária
forrar de azul a língua

tempo é o que compras com a visível ausência
dos olhos e os poços e as cimas

esse corpo é uma aspa sobre os telhados um gânglio
tomado
uma pele curtida pelas fogueiras das cavernas
ainda

um desenho na parede recorda-me
que também despertei nessa parcas obscuridades

minha mão amadureceu cedo
com os perfis de felinos desesperados
mas acabou entregue à violência


há algo inerentemente tóxico na cólera
(nesta cólera) talvez

seja a forma em que se move tão parecida
aos tombos rupestres
que faz com que seja impossível de domar de se parar sobre ela
nos seus lombos salgados
a falta de trégua
o dia da sede

nas noites lá fora
raqchi diz não-piada não-idade não-céu não-cascalho

com frequência
aprecio a qualidade deste silêncio
e das pedras que se agruparam à sua volta
para formar um templo

para formar uma fortaleza
um cemitério um estábulo um bordel
este silêncio suave como o excremento
mas insolente como uma rosa
arrojada

do outro lado do nevado estava a noite
(ainda há lugares a que não vou)

as trutas tristes da oroya
esgaravatadas da neve e o frio
ainda há lugares a que não vou

ódio
emanou destas procissões
mas também homens
mulheres a respirar na obscuridade
examinando ou pondo à prova
uma fé
tenaz como uma mirada posta na montanha

um sol vazio esconde-se na sua própria sombra

perder
perder
perder para encontrar
o que foi tirado da boca do jaguar

calar por aqueles
que não puderam falar
perder a vida perder a morte

Original em castelhano Mario Montalbetti (Fin desierto y otros poemas, 1997. Incluído em Lejos de mí decirles, Poesía reunida, Ediciones Liliputienses, 2017)
Lido Spoken Word Mindelo, Cabo Verde, 2018

Publicado Revista dos Tr3sReinos, Espanha, 2018

DAS VIRTUDES DO PETRÓLEO SOBRE O SANGUE

Oh vós, que vos fizeram sem-abrigo –
a vossa falta de teto estendeu-se pelos países,
sem um cêntimo
e em desespero,
enquanto o esquecimento se desvela entre as vossas costelas.

O teu sangue mudo não vai falar mais alto
enquanto te orgulhas na morte
enquanto continuas a anunciar – em segredo – que guardaste a alma
aos que não a compreendem.

Perderes a alma vai custar tempo,
mais do que é preciso para consolar o medo
nos teus olhos, que têm jorrado petróleo.

Um líder disse:
quem possuir petróleo terá as necessidades satisfeitas a partir dos seus derivados,
o que é de longe preferível a quem ilumina os olhos
e volta o seu coração a um deus.

Não tens que baste
para te serenar nas tribulações que virão
a torneira de sangue não é tua –
para gastar nos valores perdidos
nem tens que chegue para ficar
com uma taxa sobre a tua alma exausta.
Não tens o suficiente que te faça suportar um dia de exílio.

Agora tremes –
por isso pega no que há de sangue teu
e enche a barriga do exílio –
para reunires os supervisores do petróleo
e asfixiar as suas intenções de arrancar a tua alma.
Das águas do rio pede perdão –
e desculpa-te a bom som, enquanto o teu sangue se esvai nelas.

Através do petróleo – resistes!
Enquanto desapertas aqueles sutiãs
e saboreias lentamente as cerejas e tudo –
e desfrutas da humidade entre as coxas –
que todo o teu prazer seja abençoado.

Que mais –
quando todos os hereges pregarem o machado no teu ombro?
E tem-se dito que apostaste sangue do desejo
e que encheste as tabernas de riso maníaco –
para aproveitar um copo de borla.

De borla –
palavras abortadas,
uma onça de tabaco usada
e uma caixa – onde a tua mãe, certa vez, prendeu o teu grito –
para que o rio te cuspa para a orla de um medo que não conheces.
E aí, o trovão assegura-te que ele insemina as nuvens –
e cria chuva que não conseguirá ainda lavar a vergonha do medo de um rio a desaguar
nos braços da derrota.

Bolhas negras de petróleo –
circulam nas tuas células,
curam o que a náusea
não vomitou.

O petróleo é inofensivo,
exceto pelo rasto de pobreza que deixa para trás
naquele dia, quando as caras dos que descobrem outro poço enegrecem*,
quando a vida incendeia o teu coração para ressuscitar a tua alma em petróleo
para consumo de todos.
Isso é a promessa do petróleo, uma promessa verdadeira**.

Fim…


* Alusão ao Corão 3:106.
** “É a promessa de…” é uma expressão alusiva ao Corão 10:4; 18:98. Nos textos, Deus começa por questionar, depois declara as recompensas e no fim é usada esta expressão com vista ao acesso ao céu. No poema, ao petróleo.

Original em árabe Ashraf Fayadh (Instructions Within, The Operating System, Brooklyn, 2008)
English version Mona Zaki

Publicado Revista Palavra Comum, Espanha, 2016

ESPAÇO NO VAZIO

Tudo tem peso.
O teu é bem conhecido das traseiras
porque a tua pesada sombra não deixa aparecer a estrada, a pintura ou a escrita
postos à janela.
Tens espaço também, muito espaço
no vazio.

O ar é poluído e os caixotes do lixo
e a tua alma também, desde que a trocaste por carbono.
E o teu coração, desde que as artérias colapsaram
e recusaram conceder cidadania
ao sangue vindo do fundo da tua cabeça.

Sem memória, perderias muito peso.
Precisas seguir uma dieta rigorosa
para perderes mais de ti.
Decide-te rapidamente,
porque a gravidade da Terra
não espera muito.
Dica: substitui o fator tempo pelo teu nome
para descobrires como atirar a última lágrima
do teu diário
direta para o cesto do lixo.

Consomes ar basto para dois recém-nascidos
se os gritos fossem iguais,
dado que as moléculas de ar à tua volta
transportam mal o som e a tua garganta
precisa de reparação.

Uma mulher mendiga acima dos cinquenta exibe dignidade num
farrapo cheio de moedas. Reza para que tu e a
mulher bonita que está contigo
sejam em breve abençoados com uma criança,
para encher outra parte do vazio
em troca de uma moeda.

Chegou a hora de aprenderes os passos, não sexuais,
e de mudares as meias mal-cheirosas.
Fato científico: bactérias crescem rapidamente.

Rende-te ao sono,
porque chegou a hora de derreteres e dissolveres
e tomar a forma alienada em que foste servido.
Evapora, condensa
e volta para o teu vazio,
para ocupares o espaço habitual
em ti.

Original em árabe Ashraf Fayadh (Instructions Within, The Operating System, Brooklyn, 2008)
English version Jonathan Wright

Publicado Revista Palavra Comum, Espanha, 2016

O ÚLTIMO DESCENDENTE DOS REFUGIADOS

Dás indigestão ao mundo. E outros problemas.
Não forces o chão a vomitar
e dele fica perto, bem próximo.
Uma fratura que não pode ser aberta,
um pedaço que fica sem resolução
ou adição aos outros números,
logo geras confusão nas estatísticas globais.

Ser refugiado é estar no fim da fila
para ter um pedaço de um país.
Ficar, fez o teu avô sem saber porquê.
E o pedaço és tu.
País: carta que pões no bolso junto com o dinheiro.
Dinheiro: pedaços de papel com fotografias de líderes.
Fotografias: substituem-te até voltares.
Voltar: criatura mitológica que existe nas histórias do teu avô.
Aqui termina a primeira lição.
Para que aprendas a segunda lição, que é “o que significas?”.

No Dia do Julgamento*, eles ficam nus,
enquanto nadas nos canos enferrujados do esgoto.
Descalço – pode ser saudável para os pés
mas não para a Terra.

Em tua honra montaremos tribunas e faremos conferências
e os jornais escreverão sobre ti de maneira apropriada.
Uma fórmula nova foi desenvolvida para eliminar a sujidade recalcitrante
e a metade do preço apenas.
Apressa-te a comprar** metade,
porque a escassez de água é grave.

Negociações sérias
decorrem para providenciar cinzas de borla para que não te engasgues,
sem afetar o direito das árvores viverem na Terra.
Aprende a evitar esgotar toda a tua dose de cinza de uma só vez.

Ensinaram-te a levantar a cabeça
para não veres a sujidade no chão.
Ensinaram-te que a tua mãe é a Terra.
E o teu pai?
Queres conhecê-lo para confirmar a tua linhagem.
Ensinaram-te que as lágrimas são um extravagante desperdício de água.
E água…já tu sabes!

Amanhã
será boa ideia livrar-mo-nos de ti,
porque a Terra seria mais bela sem ti.

As crianças são como pardais,
mas elas não fazem ninhos em árvores mortas.
E a agência das Nações Unidas não se responsabiliza em plantar árvores.

Usa-te como cartão de descontos,
pedaço de papel com um poema, pedaço de papel higiénico,
pedaço de papel para a tua mãe acender o fogão
e fazer pães.

Previsão do tempo:
o sol está de cama com febre.
Os ossos, vestidos de carne e pele.
A pele fica suja e emana um cheiro horrível.
A pele arde, afetada por forças sobrenaturais.
Toma-te como exemplo.

Não desistas da esperança.
Leva o coração do exílio, donde estás a fugir!
Isto é treino intensivo para viver no inferno
e nas condições mais cruéis.
Meu deus, é o inferno algures na Terra?

Os profetas reformaram-se
por isso não esperes que o teu venha por ti.
Por ti,
por ti os monitores trazem relatórios diários
e recebem os seus altos salários.
Quão importante é o dinheiro
para uma vida digna!

As almôndegas*** do Abu Said estão expostas a contaminação
e a farmácia anuncia que a campanha de vacinação está a acabar,
por isso não te preocupes que as tuas crianças fiquem contaminadas,
enquanto a farmácia ali estiver.

Reportagem em direto dos preparativos para o concurso de beleza.
Aquela miúda fica bem de biquíni,
a outra tem um rabo gordo.
Notícia de última hora: Aumento Súbito do Número de Mortos Devido ao Tabaco.
O sol ainda é uma fonte de luz
e as estrelas espreitam pra ti,
porque o telhado precisa de reparação.

Discussão na praça dos táxis:
“Não temos passageiros suficientes para partir”.
“Mas a minha mulher trabalha”.

“É a sua décima gravidez. Ainda não aprendeu nada? Há relatórios a alertar para o aumento da população. Acaso – é a palavra que procurei durante anos. Vivemos num mundo ao acaso.
Multiplicamo-nos e as nossas crianças permanecem nuas. Fontes de inspiração para realizadores de cinema ou para discussão à volta da mesa do G8. Somos pequenos, mas eles não vivem sem nós.
Por nós, edifícios caíram e estações de comboio floresceram. O ferro é certo que enferruja. Por nós, há imensas mensagens com fotografia. Somos atores e não nos pagam. O nosso papel é ficar tão nus como quando as nossas mães nos deram à luz, a Terra nos deu à luz, os noticiários nos deram à luz e os relatórios infindáveis e as terras à volta dos acampamentos e as chaves tem-nas o meu avô. Meu pobre avô, ele não sabia que as fechaduras foram mudadas. Avô, que as portas abertas com cartão digital te amaldiçoem e que o esgoto que passa ao lado da tua campa te amaldiçoe. Que o firmamento te amaldiçoe e não chova. Não, os teus ossos não crescem do solo, que é a razão pela qual não crescemos de novo.

‘vô, estarei por ti no Dia do Julgamento,
porque as minhas partes íntimas não são estranhas para a câmara.
Eles deixam filmar no Dia do Julgamento?

‘vô, ando nu todos os dias, sem julgamento, sem alguém triunfar,
porque fui deslocado em antecipação. Eu sou a experiência do inferno na Terra.
O inferno que foi preparado para os refugiados.

__
* A expressão, utilizada várias vezes na obra de Ashraf Fayadh, tem um sentido teológico, mas apela, ao mesmo tempo, ao dia do banimento, isto é ao dia em que os refugiados são banidos das suas terras e se veem obrigados, por força de condições externas cruéis, a ir para os acampamentos preparados para os receber, ditos “campos de refugiados”.
** Tradução para a língua portuguesa do verbo buy up, que remete à gíria financeira, sendo usado nos negócios, para designar a compra de tudo o que há em stock ou o máximo possível, especialmente quando o preço está mais baixo.
*** Almôndegas árabes ou falafel, na língua inglesa.

Original em árabe Ashraf Fayadh (Instructions Within, The Operating System, Brooklyn, 2008)
English version Jonathan Wright

Publicado Revista Palavra Comum
, Espanha, 2016

VERSOS CONTROVERSOS

1
foi-nos dito: instalem-se aqui…
mas alguns de vós não são senão inimigos
por isso partam imediatamente
aprecio-vos do fundo do rio;
vós, no topo, devíeis doar alguma pena aos que estão abaixo…
o refugiado é indefeso,
como sangue que ninguém quer comprar no mercado do petróleo!

2
perdoa-me, desculpa-me
por já não ser capaz de chorar por ti
por não murmurar o teu nome com saudade.
voltei a cara para o calor dos teus braços
não tive amor senão tu, somente tu, e eu sou o primeiro dos que te buscam.

3
noite,
não sabes do Tempo
faltam gotas de chuva
que lavassem os restos do teu passado
e te libertassem do que chamaste piedade…
desse coração… capaz de amar,
de brincar,
e de confrontar-se com a tua fuga desonesta daquela religião flácida
daquele Tanzeel* falso
dos deuses que perderam o orgulho…

* Palavra árabe de dimensão teológica utilizada para descrever como Deus ditou as palavras do Corão ao profeta Maomé.

4
arrotas mais do que nunca…
enquanto os bares abençoam os visitantes
com recitações e sedutoras dançarinas…
acompanhado pelo dj
recitas as tuas alucinações
e teces elogios aos corpos que balançam nos versos do exílio.

Original em árabe Ashraf Fayadh (Instructions Within, The Operating System, Brooklyn, 2008)
English version Mona Kareem (Ashraf Fayadh, Instructions Within, The Operating System, Brooklyn, 2008)

Publicado Revista Palavra Comum, Espanha, 2016